quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

 

 

“Nas horas de aflição os problemas parecem intermináveis. Porém, não é assim. O inverno sempre se transforma em primavera, sem falta. Não há inverno que seja eterno. Por ter sofrido muito mais do que os outros, você compreenderá muito mais os sentimentos das pessoas. Por ter passado por grandes aflições, será mais sensível à cordialidade das pessoas. “


Daisaku Ikeda

 

Perfeito !!!!!!!!!!!!!!

Aos filhos: lindo texto!!!!!

 

 

581452_592202040795748_1818212394_n[1]

domingo, 23 de dezembro de 2012

Feliz Natal









Que nesse Natal , possamos colocar nossos desejos, nossos agradecimentos, nossos medos, alegrias, mágoas, reservas, sonhos, determinações, inteiramente nosso ser , na manjedoura : nos braços do menino Jesus !!!!

Obrigada pela confiança e pela companhia por mais um natal feliz!




Foto :google
                              

"A Maldição de Tourette"

Foto

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

66714_398803840198974_299022532_n[1]

65142_305327579579019_970477420_n[1]

O ano está terminando!!!!!

 

Um dia , faz poucos anos , estava eu conversando com um amigo , sobre  a vida , em especial a minha, naquele momento um tanto perturbada com a Tourette , antes do blog, antes do medicamento adequado, do médico certo…

Imaginem bem o momento, eu não tinha quase nada , incluindo esperança e fé, digo quase , porque nesses momentos , descobrimos realmente o que temos, e o quase passou a ser o tudo: uma palavra amiga.

Por isso , para escrever a mensagem do blog de fim de ano  fiz um pedido especial  e “ Papai Noel “ atendeu meu pedido: (queria que soubessem que esta mensagem foi basicamente o tema da conversa, o que me fez acordar e respirar novos e felizes ares)

 

Uma grande amiga me pediu pra escrever uma mensagem para esse final de ano, não sei o porque que ela me pediu, mas como sempre digo que Deus nos coloca algumas missões para serem cumpridas, aqui estou.

E essas missões são dadas a cada um da gente, indiferente de nossa situação, temos a missão de fazer o bem sempre.

Embora muitas das vezes nos colocamos como sendo sempre os recebedores (por mérito e merecimento) das boas ações, ora por termos algum problema de saúde, ou financeiro, ou emocional; ora por termos alguém em nossa família com algum tipo de problema como os citados. E continuamos a alimentar essa sensação de impotência e autoflagelo porque estamos sempre a perguntar: Por que comigo ?? O que eu fiz pra merecer isso ?? Isso é um castigo ??

Nos questionamos tanto que deixamos de escutar a grande e verdadeira pergunta: Para que eu sou assim ?? O que Deus quer de mim ?? Qual a minha missão ??

Só conseguimos escutá-LO quando deixamos de tagarelar e passamos a escutar a nossa alma, é lá onde Deus se comunica com a gente. E Ele está sempre falando, nunca desiste de nós, sempre pronto pra responder as nossas perguntas.

Silencie. Escute com a alma.

Você é capaz de fazer maravilhas, de mudar a vida de uma pessoa, de resgatar alguém que se encontre no fundo do poço. Você pode ser o exemplo que outro esteja procurando.

Deus não criou a Tourette, nem a batizou com esse nome... Deus criou a Fé e a batizou com vários nomes, um deles é VOCÊ.”

 

Feliz novo ano , feliz novos ares , feliz esperança!!!!!!!

598630_349756791789841_1313643877_n[1]

sábado, 15 de dezembro de 2012

Carta aos filhos: lição para vida

Quando recebo lições de vida seja de que maneira for , gosto de compartilhar aqui, porque de alguma maneira nos ajuda. E nada me tocou tanto dia desses como esta carta de uma mãe que conheço desde que eu era criança e que escreveu para seus três filhos e me presenteou com a oportunidade de dividi-la no blog:
 
A carta começa assim:
 
Filhos...
"Costumo, no final de ano, fazer um balanço de tudo que passou. Tento traçar algumas metas, aparar arestas, sonhar e por ai vai... Claro que vcs três estão sempre nesta retrospectiva que faço e tb fazem parte dos meus planos para o futuro!
 
Este ano, na verdade como todos os outros, foi marcado por bênçãos, vitórias e também por momentos difíceis, por lágrimas e dores.
 
Ele foi bem dividido simetricamente, em : primeiro e segundo semestre. Tive um primeiro semestre de mtas alegrias, viajei bastante, conheci Paris (delíciaaaa...rsrsrs), conheci novas pessoas e posso dizer, que o saldo foi excelente.
 
Já no segundo semestre, foi tudo um tanto difícil. Nossa família foi acometida sequencialmente por doenças, que nos entristeceram, nos causaram sofrimentos... Ainda está sendo difícil, mas nada que não possamos superar!
 
No entanto, já finalizando o ano, tive algumas alegrias ímpares e é sobre elas que quero falar com vcs três!
 
Ninguém melhor do que vcs, para saber da minha história de vida. Dia desses, eu vinha dirigindo, pensando e me questionando sobre o porquê da minha vida pessoal ser permeada de tanta luta, que por tantas vezes me deixa abatida, sem forças, se sempre prezei pela ética seja profissionalmente, na minha família e com meus amigos. Não posso negar, que por vezes, fico meio que desapontada com Deus (coisas de gente que é gente). Vcs entendem, sei disso! Mas como Ele é mto sábio, na maioria das vezes que me rebelo, Ele fala e me presenteia!!!
 
É assim, que encerro o ano de 2012: PRESENTEADA POR DEUS, NAS PESSOAS DOS MEUS FILHOS!!!
 
E por que isto??? Neste último mês, tive a graça de os três serem premiados por suas atividades profissionais! Na verdade, os prêmios profissionais, estão imbuídos de um pouco da nossa essência!
 
Não somos apenas profissionais ou pais, ou filhos, somos um conjunto que é visualizado no seu todo
.
Vi sua obra, V, ser premiada pela Ademi!!! Vi suas peças, D, estarem nos primeiros lugares do prêmio Guerreiros da Criação e vi vc, L, ainda na metade do curso, ser promovida com menos de um mês de trabalho!!! Isto não tem preço!!!! É a resposta viva de Deus a mim e a seu pai, que, apesar das nossas inúmeras limitações, demos o que tínhamos de melhor para os três!
 
Há um conto que diz que o ovo de uma águia, equivocadamente, parou num galinheiro e mesmo nascendo águia, esta passou a vida ciscando entre as galinhas, porque não haviam dito ou ensinado a ela, os vôos que poderia alçar. Desta forma, fico imensamente feliz por vê-los como águias! Vcs não nasceram num galinheiro, mas de uma águia e entenderam logo, que assim também eram e alçaram seus vôos particulares. É que, muitas vezes alguns, mesmo sabendo que são águias, vivem como se galinhas fossem e passam a vida naquele terreninho empoeirado, vivendo do milho que jogam!
 
Portanto, parabéns minhas ÁGUIAS LINDAS!!! Orgulho imensurável que tenho de dos três!!!
Só que há algo que preciso acrescentar. Gostaria de mesmo já se fazendo destacar como profissionais, que vcs não esquecessem que, os valores éticos, morais são nossos melhores prêmios.
 
Gostaria que tivessem como meta pessoal e isto é um pedido pessoal de mãe, que se amassem impreterivelmente. Sempre haverá divergência de pensamentos, isto eu sei e é bom que haja, mas jamais percam de vista, que entre vcs três, não haverá amor igual. Portanto, procurem amar-se em suas diferenças. Evitem os embates (este são necessários, apenas em casos extremos). O aprendizado do diálogo e do respeito devem ser a tônica principal da relação entre vcs!
De presente de Natal, quero ver o abraço forte . Sei do amor lindo que existe entre vcs!!! Eternizamos as alianças, qdo nos dispomos a recuar um pouco e avançarmos juntos!!!
Estarei ao lado dos três, até meu último dia, amando-os com a força maior que tenho.
Obrigada por me ajudarem a ser melhor, por me ensinarem tanto, por cada um já ser, apesar de tão novos, motivo de muito orgulho pra mim e para seu pai!!!

Milhões de beijos em cada um!!!!!!!!!

Mamis "
 
 
Bem, como viram tive a ousadia de marcar a carta toda, porque aprendi demais com ela.
 
Primeiro: Na vida todos nós temos momentos de glórias, felicidades, dores e tristezas, não existe tristeza que dure para sempre e nem alegria que não seja permeada por alguns tropeços, queremos tanto que tudo fique feliz que esqueçemos que a felicidade é o comum .
 
Segundo:Apesar de todo o sofrimento vivido no momento , não perdeu a esperança: vejam a frase vamos superar!
 
Terceiro: No meio das dores, das lágrimas conseguiu enxergar as alegrias do momento, admirar as vitórias ,valorizar.
 
Quarto: conheço a pessoa, sei de sua extrema fé, do seu amor por Deus  ee mesmo assim adimite sua fraqueza de humana e reconheçe que voltou a se alimentar novamente da fé. Quantas vezes me rebelei Senhor!!!!!!!!!!!
 
Quinto: Nunca deixar de mostrar o caminho da águia, os voos que podemos dar, a força para lutar, conquistar,ultrapassar e ir a luta. uantas vezes me sinto" galinha" vivendo do milho jogada podendo lutar como águia.
 
E por último e não menos importante, ressaltou os valores morais , o afeto, a família e o carinho.
Verdadeiras lições para nossas vidassão simples assim.
 
Obrigada por me deixar compartilhar esse presente.
 
 
 
 

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Resultado do Ano Letivo e a Tourette

Final de mais um ano letivo, e o saldo é positivo.




Queria compartilhar nossas vitórias, nossas conquistas , reafirmando mais uma vez que a  síndrome de Tourette não nos prende a limitações  (exceto em casos graves )  e sim a desafios.

 Limitação, segundo o dicionário Aurélio, ato ou efeito de limitar,insuficiência e desafio é a incitação à disputa, à luta.

Por estas definições podem ver o que considero da síndrome. E foi em busca de vencer desafios a base deste ano que se finda.

Como o assunto é escola, foi difícil entender o que estava acontecendo com a matemática no começo do ano.

Pesquisei , pedi ajuda a amigos , que me achassem textos científicos que mostrassem a dificuldade de um portador da síndrome com a matéria. E encontramos , tem uma relação.

Mas o que fazer com esta constatação: mais uma vez a parceria escola-família entrou em ação, em todas as matérias ia bem , apenas em matemática. Estudava  e estudava e continuava sem conseguir, resolvi que era hora de eu , mãe, voltar a interferir nos estudos novamente. Fato arriscado , mas como vi uma possibilidade , arrisquei, estudamos juntos.

Foi uma experiência maravilhosa , essa retomada em nossas vidas, a conquista era dele e compartilhada comigo. A cada prova sua auto-estima melhorava, e suas notas foram excelentes.

Suas dificuldades superadas, ver a letra do meu filho hoje, é bálsamo para meus olhos.

 Ver a organização do seu caderno, ver que o problema visuo-motor que em muitos casos afetam nossos portadores, não mais o perturbam. A Ritalina ajudou muito nesse processo.

Vê-lo feliz e capaz , me emociona. E me faz ver que a parceria compensa, que esse amor que nos une , nos fortalece e nos eleva.

 A tarefa não é fácil, mas ele podia dar mais de si e deu.

Não estava mais despreparada para ajudá-lo, já sabia o meu limite e o dele.

O ensino atual, suga nossos filhos , 3 provas por dia, simulado para o ENEM, 90 questões , aulas , estudos e cobranças. E um prazer enorme de dizer , ele venceu!!!

Gostaria de ressaltar que a escola acreditar no potencial  dos nossos filhos é fundamental, a escola sempre investiu no meu filho e ele lhes deu o retorno este ano vencendo seus desafios.

Tenho dois filhos e duas vitórias, um assistindo a luta do outro, um aprendendo com o outro .
Tem coisa melhor ?!!!

Resumindo: nunca desistir de lutar, nunca aceitar limitações se não forem limitações. Procurar sempre um médico amigo e parceiro nessa luta (obrigada Dra Fabiana) , procurar trabalhar junto da escola (esse elo é fundamental), e ter o medicamento correto(esse é o mais difícil, porém não impossível) 

DT

Terapia comportamental e Síndrome de Tourette

Estudos afirmam que Terapia comportamental amortece tiques de Tourette


 Sex 9 de agosto de 2012 17:16 BRT
  NOVA YORK (Reuters Health) -





A terapia comportamental pode ajudar algumas pessoas com síndrome de Tourette sufocar seus tiques , às vezes constrangedores e inadequados, de acordo com um novo estudo de adultos com a condição neurológica.

  "Isso realmente dá aos pacientes uma alternativa maravilhosa para medicamentos", disse Sabine Wilhelm, que dirige o TOC e Relacionados Programa de Transtornos do Massachusetts General Hospital, em Bostonque liderou o estudo.e liderou o estudo.


 

 "É algo que tem criado muita emoção em campo", acrescentou ela, "porque agora finalmente podemos tratar distúrbios neurológicos com intervenções psicológicas."

 Acredita-se que cerca de três em cada mil crianças têm de Tourette, e a condição é menos comum em adultos.  Isso faz com que  pessoas venham a fazer repetidos movimentos bruscos , grunhidos ou tossir,  sons - os chamados tiques.

 Às vezes, os tiques podem ser mais complexos, e pode ser prejudicial no trabalho ou na escola.
  "Os pacientes têm tiques onde eles realmente se ferem", disse Wilhelm, cujos resultados aparecem na revista Archives of General Psychiatry.
 
  Não há cura para a Tourette, mas medicamentos, como os antipsicóticos são por vezes usados ​​para conter os sintomas.  Infelizmente, muitas vezes eles vêm com efeitos secundários graves, como a sedação, problemas de movimento ou ganho de peso.

 Wilhelm estudo testou um novo tipo de terapia chamada de Intervenção Comportamental abrangente para Tics, ou CBIT, que cresceu a partir de uma técnica anterior de comportamento.

  Ela explicou que se concentra em criar a consciência de tiques que se aproximam e
 seus gatilhos, de modo que as pessoas têm a chance de controlá-los antes que seja tarde demais.

 CBIT também ensina as pessoas a combater o tique de maneiras sutis, por exemplo, balling até seus punhos se eles se sentem obrigados "a dar a alguém o dedo", segundo Wilhelm

.Estes estudos sobre terapia de comportamento ... são de longe os maiores estudos que já foram feitos em termos de tratamento da síndrome de Tourette", ela disse à Reuters Health, acrescentando que ela espera para comparar a terapia comportamental com medicamentos no futuro.





Fonte:
Texto traduzido pelo google
http://www.reuters.com
















Filme: Somos todos diferentes

Adorei a sugestão de uma mãe da Tourette, um filme conta a história de uma criança que sofre com dislexia e custa a ser compreendida- Ishaan Awasthi, de 9 anos.

"Somos todos diferentes"



www.youtube.com
 
 
 
 
 

Tourette e globo Pálido - vídeo

Video Explicativo  sobre cirurgia para controlar os tiques da síndrome de Tourette:



                                                   http://www.youtube.com

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

“Coragem ,amigos!

A vida que sonhamos ter depende da determinação de ser quem somos”

                                                                 Márcia De Luca

“Quem ama e está presente quer conhecer a Síndrome de Tourette”

Muito bom o texto escrito por Natália Raposo , para o blog :http://laboratoriopsicodelico.blogspot.com

Natália Raposo

“Desde que estou junto com Giba, e principalmente depois que passamos a morar na mesma casinha, eu pareço uma mãe que recebeu um diagnóstico de Síndrome de Tourette (ST). Desde então eu estou sempre pesquisando, lendo artigos, me informando... procurando saber mais sobre a doença e, consequentemente, tentando entender melhor algumas particularidades dele e compreendendo, a partir daí, que determinadas coisas que ele faz (e que me incomodam) não são culpa dele, mas sim manifestações da ST. Parece que do nada eu pari um menino de 41 anos; é meio louco isso. Mas é como me disse a Daniela Torres, do blog Nossas Vidas com Tourette: quem ama e está presente quer conhecer a síndrome, quer ajudar.

Para quem ainda não sabe, a Síndrome de Tourette é um distúrbio neuropsiquiátrico caracterizado por múltiplos tiques motores e vocais. Os tiques se manifestam de formas e intensidades diferentes em cada momento da vida do portador da ST; e em pessoas diferentes, a doença também pode ter manifestações bem diversas. A doença não tem cura, mas o uso de medicamentos, aliado ao tratamento psicológico e/ou terapias alternativas é capaz de controlar os tiques e minimizar os danos psicossociais que a doença traz ao portador.

Não bastassem os tiques - que, não raro, causam dores físicas -, a ST apresenta o que os médicos chamam de comorbidade com o Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) e com o Transtorno de Hiperatividade com Déficit de Atenção (TDAH). Eu gosto de chamar de doenças "acessórias". Ou seja, a pessoa que tem ST quase sempre também tem TOC e TDAH.

Daí, além de a pessoa já não ter uma vida fácil, ainda esbarra na ignorância, no preconceito e na intolerância de gente besta que não sabe lidar com o que é diferente do seu próprio umbigo. Não sei se foi nisso que Giba pensou quando escreveu A Maldição de Tourette, mas eu interpretei que foi algo como fazer cada personagem da história dele ver qual foi o seu papel na sua trajetória com a Tourette (e olha que nem todo mundo teve uma participação muito bonita nessa história!).

Lembro que depois de ler o livro de Giba pela primeira vez, pensei: "Como esse cara tá vivo pra contar a história?". Precisei ligar para ele, dizer que admirava a sua coragem de se expor daquela forma e, principalmente, a sua coragem de - com todos os percalços - não ter parado a vida, não ter desistido de buscar um desfecho menos doloroso.

Hoje, os tiques dele são praticamente controlados. Ele ainda faz umas vocalizações que me espantam quando estou distraída; tem várias manifestações de TOC que podem ser irritantes; tem a hiperatividade que o faz andar de um lado para o outro um bilhão de vezes (o que me irrita muuuito, principalmente quando estou estudando. Chega a ser desesperador o ploft ploft do chinelo no assoalho); e tem o déficit de atenção, que, às vezes, me obriga a repetir uma história duas (ou mais) vezes porque ele viajou no meio da narrativa e não entendeu nada do que eu disse.

Viver com a Tourette não é fácil e conviver com ela também não. Mas o que é o tique pequenininho perto do tamanho do amor e da boa vontade? É quase nada, é só um detalhe.

Importa que haja amor.

Síndrome de Tourette, TOC e Medo

 

Medo!!! Que sentimento é esse que nos inquieta, que parece vivo diante do perigo real ou não (apenas Imaginado)?

Podendo ser por uma simples ameaça, receio ou ser por um pavor intenso , incontrolável , daqueles que nos paralisa. Começando em algo simples e tomando grandes proporções .

O mundo em que estamos vivendo é cheio de medos  e inseguranças, medo de assaltos, de ficar sozinhos, de baratas, de elevador , de alturas , de não ser aceito. Bem , cada um tem o seu, aberto  ou secreto. Dominante ou dominado.

Mas como o medo  pode nos impedir de continuar, de onde ele vem  e como toma conta e se espalha pelo nosso ser , transformando tudo em dúvidas, ansiedade e incertezas.

Desconheço a resposta, infelizmente, porém , conheço um bom caminho para um bom começo.

Quando o medo começar a se instalar: LIGUE UM PISCA ALERTA, fique atento , se o fato se repetir na mesma intensidade,  ATENÇÃO, procure ajuda profissional (psicólogo ou psiquiatra). Estes profissionais nos ajudarão a entender de onde vem esse medo, porque atingiu tal proporção e como revertê-lo.

O medo pode nos assustar, acabar com nossos sonhos, paralisar, nossa vida, sulgar nossos pensamentos.

Mas não podemos desistir, reconhecer o medo , já é um enorme passo , e o próximo é procurar um profissional!

Dt

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Diagnóstico não é rotulação.

“ Diagnóstico não é rotulação. O diagnóstico é uma arma poderosa contra o preconceito ao abrir portas para o tratamento adequado/especializado e auxílio eficaz através de reabilitação cognitiva e intervenções escolares e apoio as pessoas com o Transtorno e familiares para lidarem com uma difícil, mas não intratável situação.”

CARTA ABERTA À SOCIEDADE SOBRE DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E POLÍTICAS PÚBLICAS RELATIVAS AOS TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM E AO TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE

CARTA ABERTA À SOCIEDADE SOBRE DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E POLÍTICAS PÚBLICAS RELATIVAS AOS TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM E AO TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE

 

CARTA ABERTA À SOCIEDADE SOBRE DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E POLÍTICAS PÚBLICAS RELATIVAS AOS TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM E AO TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE


¹ Documento publicado no Boletim da Sociedade Brasileira de Neuropsicologia – Edição de Novembro de 2012.


Brasília, 03 de Dezembro de 2012


A mídia popular tem veiculado recentemente dezenas de matérias em que alguns profissionais defendem a inexistência de transtornos de aprendizagem e outros transtornos como o Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade TDA/H. Em uma boa parte dessas matérias esses profissionais fornecem à população informações superficiais e equivocadas que podem levar a consequências extremamente nocivas para pacientes, familiares e para a população como um todo.


Primeiramente, confundem dificuldades e transtornos da aprendizagem.

O primeiro grupo, mais amplo, inclui toda ou qualquer condição que prejudica o processo de aquisição de conhecimento, seja na academia ou em qualquer outro contexto da vida do indivíduo. Fome, desnutrição, sono, estresse, situações de abuso, problemas de natureza emocional e, claro, uma escola de má qualidade, refletem de forma direta na capacidade de aprender de um indivíduo. Essas situações podem afetar seu desempenho e prejudicar a aquisição de informações.

No entanto, uma parcela desses indivíduos, mesmo quando inseridos em um sistema educacional favorável ou na ausência de fatores ambientais deletérios, apresenta dificuldades específicas em habilidades relacionadas à leitura, escrita e/ou matemática. Esses sim são considerados indivíduos com transtornos da aprendizagem e necessitam de diagnóstico precoce, intervenções específicas e bem fundamentadas na vasta literatura científica disponível.


Consideramos que aquelas pessoas que pertencem a classes sociais privilegiadas, têm condições de acesso a profissionais capazes de realizar diagnósticos e intervenções precoces e eficientes. No entanto, um grande número dessas pessoas, geralmente crianças que estudam na rede publica de ensino, não tem a devida oportunidade de acesso a profissionais fora do serviço público. Diversos países no mundo apresentam programas de identificação e intervenção precoce de transtornos de aprendizagem e TDAH, além de garantir o apoio educacional a estas crianças.

 No Brasil, há total falta de reconhecimento oficial destes transtornos e estas manifestações de pequenos grupos que estão à margem do conhecimento científico têm prejudicado sobremaneira que as discussões técnico-científicas alcancem as esferas políticas.


Desse modo, consideramos de extrema necessidade e legitimidade as iniciativas do poder público que visam garantir oportunidades de diagnóstico e intervenção para esses indivíduos. Impedir esse acesso com base em argumentos ideológicos e infundados é uma atitude perversa, totalitarista e sem fundamentos. É irresponsabilidade não dar o direito a estes indivíduos de que há um distúrbio e que a culpa não é deles, nem da escola ou da família. Além do fato de que o não tratamento adequado colocar em risco o desenvolvimento desses indivíduos, como no caso do TDA/H com comorbidades psiquiátricas, ou seja, que tenham Transtorno da Conduta, por exemplo.

As manifestações feitas por aqueles que defendem a ideia de que os transtornos de aprendizagem como a dislexia sejam inexistentes começou há cerca de três anos tendo por foco a proposta do projeto de lei de apoio a crianças com Dislexia do Desenvolvimento no município de São Paulo. Agora se estende através de comunicação do Conselho Regional de Psicologia- SP à respeito do TDAH e de outros transtornos específicos de aprendizagem, como a dislexia. Interessantemente, como no caso do TDAH, esses profissionais, sem fornecer qualquer dado científico consistente e ignorando publicações respeitadas e bem controladas sobre diagnóstico e tratamento, criticam e desqualificam as ações de sociedades científicas e civis de apoio aos esses indivíduos e seus familiares, tipicamente na base de opiniões pessoais e aparentemente sem consultar as bases de dados das principais revistas científicas internacionais e nacionais.

Efetivamente quem procura, acha. Por exemplo, vão encontrar dados mundiais da literatura que mostram uma prevalência de 5% para o TDAH em países de diferentes culturas. Isto não é coincidência. Pesquisas mostram que tanto no caso do
TDAH quanto dos transtornos de aprendizagem como a Dislexia, os sintomas não são dependentes de fatores culturais ou de uma escola com falhas pedagógicas e escassez de recursos.
Parece haver uma confusão importante. Há uma luta contra o estabelecimento de diagnósticos defendendo que há rotulações, estigmas e preconceitos contra as pessoas com Transtornos de Aprendizagem. Há um duplo erro nesta afirmação.

Em primeiro lugar porque diagnóstico não é rotulação. O diagnóstico é uma arma poderosa contra o preconceito ao abrir portas para o tratamento adequado/especializado e auxílio eficaz através de reabilitação cognitiva e intervenções escolares e apoio as pessoas com o Transtorno e familiares para lidarem com uma difícil, mas não intratável situação.

Em segundo lugar, a literatura internacional aponta que o diagnóstico bem realizado resulta em melhora da qualidade de vida da pessoa e da família, reduz as limitações e aumenta a inclusão das crianças, dependente de iniciativas do Estado, institucionais, clínicas e pessoais/familiares para estes ganhos.

Ou seja, a luta deve ser pelo diagnóstico bem realizado, baseado em critérios científicos bem estabelecidos e amplamente divulgados e disponíveis para quem quiser procurar!
Umas das alegações desse grupo de profissionais é que os critérios diagnósticos baseados nas escalas de comportamento não é critério de doença "Se você preencher seis das perguntas tem o diagnóstico de déficit de atenção, hiperatividade ou dos dois”
(afirmativa desse grupo de profissionais). Porém, a delimitação diagnóstica não se limita apenas aos critérios descritos em escalas de comportamento, mas a uma ampla variedade de comportamentos que são verificados em diferentes contextos que permitirão uma observação mais flexível e dinâmica da criança com TDAH, por exemplo, bem como na avaliação interdisciplinar que poderá afastar outras causas, como as ambientais.
Finalmente, a posição defendida pelo Conselho Regional de Psicologia da 6ª região – SP sobre o diagnóstico e tratamento de dislexia não representa a opinião, formação científica e prática de uma parte importante de psicólogos, especialistas em neuropsicologia e psicopedagogia, que trabalham diariamente contribuindo com diagnóstico clínico e intervenção altamente especializados, com fundamentação científica da literatura internacional e membros de sociedades científicas brasileiras e
internacionais. Alguns destes profissionais são pesquisadores de renomadas instituições de ensino superior brasileiras.
Assim, as Sociedades, laboratórios e grupos de pesquisa signatários do presente documento vêm tornar público que diverge da posição divulgada pelo CRP-SP sobre o diagnóstico e tratamento da Dislexia e dos demais transtornos de aprendizagem. Posição similar já foi exposta sobre o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade. Por outro lado, continuaremos a apoiar as ações de caráter científico e bem fundamentadas na literatura, bem como ações governamentais e da sociedade civil para o diagnóstico e tratamento para os Transtornos de Aprendizagem, a fim de apoiar portadores, familiares e sociedade com vistas a um futuro melhor das crianças brasileiras.
1. Sociedade Brasileira de Neuropsicologia
2. Associação Brasileira de Psiquiatria
3. O Instituto Brasileiro de Neuropsicologia e Comportamento - IBNeC,
4. Associação Brasileira do Déficit de Atenção
5. Conselho Federal de Fonoaudiologia
6. Laboratório de Neuropsicolinguística Cognitiva Experimental do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo
7. Sociedade interdisciplinar de Neurociências aplicadas à Saúde e Educação - SINAPSE
8. Centro Paulista de Neuropsicologia da Universidade Federal de São Paulo
9. Centro de Estudos e Atenção os Distúrbios da Leitura e Escrita da Faculdade de Medicina da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.
10. Núcleo de Investigações sobre transtornos da Impulsividade e da Atenção da Universidade Federal de Minas Gerais.
11. Laboratório de Neuropsicologia do Desenvolvimento – Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais.
12. Laboratório de Neuropsicologia da Universidade Estadual Paulista, Campus de Assis.
13. Laboratório de Neuropsicologia Clínica e Cognitiva da Universidade Federal da Bahia.
14. Instituto Brasileiro de Neuropsicologia e Ciências Cognitivas
15. Associação dos profissionais de Fonoaudiologia do Distrito Federal
16. Núcleo de Investigações Neuropsicológicas da Infância e Adolescência – Universidade Federal da Bahia – Vitória da Conquista.
16. Laboratório de Investigações Neuropsicológicas – do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais.
17. Núcleo de Estudos em Neuropsicologia Cognitiva (NEUROCOG) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
18. Cefac Associação Assistencial em Saúde e Educação.
19. Instituto ABCD.
20. Laboratório de Neurociências Cognitivas e Sociais – Universidade Presbiteriana Mackenzie – São Paulo.
21. Departamento de Saúde Mental – Faculdade de Medicina da UFMG.
22. Ambulatório de Neuropsicologia - Hospital Universitário Prof. Edgar Santos – da Universidade Federal da Bahia.
23. Serviço de Neurologia da Santa Casa de Belo Horizonte.
24. Setor de Psiquiatria da Infância e Adolescência - Serviço de Psiquiatria da Santa Casa do Rio de Janeiro.
25. Associação Brasileira de Neurologia e Psiquiatria Infantil e Profissões Afins - Abenepi Nacional.
25. Laboratório de Transtornos da Aprendizagem e Atenção - DISAPRE/ Faculdade de Ciências Medicas - Unicamp, São Paulo
26. Centro de Investigação da Aprendizagem e Atenção - Ciapre/Campinas, São Paulo
27. Residência de Neurologia Infantil, HIJPII - FHEMIG/Minas Gerais
28. Centro de Neurologia Pediátrica - CENEP/ Paraná.
29. Servico de Psiquiatria do Departamento de Medicina da PUC de Goiás.
30. Instituto Glia – Cognição e Desenvolvimento e Comunidade Aprender Criança.
31. Laboratório de Neuropsicologia (Labneuro) da Universidade Federal do Paraná.
32. Laboratório de Processos cognitivos (LabCog), Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais.
33. Projeto ELO: escrita, leitura e oralidade da Universidade Federal do Rio de Janeiro
34. Programa de Diagnostico e Intervenções Precoces do Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo.
35. Programa de Déficit de Atenção/Hiperatividade (PRODAH) do Hospital das Clínicas de Porto Alegre na Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
36. Disciplina de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade Evangélica de Anápolis.
37. Núcleo de Neurociências do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás.
38. Laboratório de Distúrbios do Desenvolvimento do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.
39. Instituto Paulo Brito – Recife.
40. Associação de Psiquiatria do Rio Grande do Sul
41. Núcleo de Epistemologia das Neurociências e da Psiquiatria e Neurociência da Ética do Instituto de Filosofia da Universidade Federal de Uberlândia.
42. Núcleo de Ensino, Assistência e Pesquisa em Escrita e Leitura - NEAPEL / UNIFESP-EPM.
43. Associação Nacional de Dislexia.
44. Laboratório de Desenvolvimento Cognitivo e da Linguagem do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais.
45. Associação de Saúde Mental Infantil de Goiás.
46. Departamento de Psiquiatria da Universidade Federal de São Paulo.
47. Grupo Neuropsicologia Clínica e Experimental do Programa de Pós-graduação em Psicologia (Cognição Humana) da Pontifícia Universidade Católica do RS.
48. Núcleo de estudos em saúde mental, educação e Psicometria- Universidade Federal da Paraíba
49. Associação Mineira de Psiquiatria
50. Laboratório de Integração Sensorial do Departamento de Terapia Ocupacional da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da Universidade Federal de Minas Gerais.
51. Ambulatório de Déficit de Atenção da Psicobiologia da Universidade Federal de São Paulo.
52. Serviço de Reabilitação e Ensino em Neurociencia Educacional – São Paulo.
53. Grupo de Pesquisa em Neurociências Cognitiva e Comportamental – Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
54. Cognoscere – FUNEDI – Universidade do Estado de Minas Gerais.
55. Residência de Neurologia pediatrica do HC - UFMG

fonte:SBNp Sociedade Brasileira de Neuropsicologia

domingo, 2 de dezembro de 2012

                       

182383_4859373812775_134339622_n[1]

Pessoas famosas com síndrome de Tourette

Vejam este link : bem interessante

Personas Famosas Con Síndrome De Tourette

www.youtube.com

a pesar de su discapacidad son y fueron personas muy importantes y destacadas

Como ensinar o sentido da vida?

 

 

Como ensinar o sentido da vida? Pergunta difícil, eu sei, principalmente para pais amedrontados ou temerosos por alguma síndrome ou alguma patologia.

Na verdade a vontade súbida que temos é colocar dentro do bolso e deixar só os olhinhos de fora. Mas sabemos que é impossível e inviável. Então o que fazer?

Confesso que às vezes o medo congela, paralisa, principalmente diante do desconhecido . Temos o direito de sentir este momento , o momento do “estou chegando nesse  mundo  agora.”

Mas, nosso dever nos chama, enquanto nos acostumamos com o novo ,” o sentido da vida” precisa ser ensinado e de uma maneira suave para não deixar marcas.

Uma amiga, Luciana,  definiu perfeitamente  em uma conversa esse nosso momento, e eu pedi autorização para citá-lo:

Aprendi que como mães e guerreiras que somos, depois de um diagnóstico desses adquirimos a força de uma mola: nos retraímos até o limite para que possamos ao final ser capazes de uma força estupenda.O conselho que te dou é: proteja seu filho o máximo que puder, mas sem sufocá-lo”

 

Mostrar aos nossos filhos que eles precisam construir sua história da melhor forma possível, dando o melhor de si. Independente de diferenças que tenham, que sonhar é possível, então por que não tentar?

Mostrar o que outros já fizeram , que podemos lutar por ideais, defender direitos, escolher caminhos, proteger, curar feridas…

Ser o elo que o une ao mundo fora e dentro do lar, lhes dando capacidade de discernir o bem do mal, o certo do erra, o preconceito da falta de informação, lhes dar cultura, firmeza, segurança, capacidade de caminhar , sonhar , viver , errar e acertar.

Sempre com afeto , sempre com fé, sempre com o amor vigiado e velado para não ultrapassarmos nosso lugar de pais professores.

Sejam filhos adolescentes, crianças, adultos, são filhos. E o sentido da vida para pais com relação aos filhos crescidos ou não , tem sempre um pontinho a acrescentar.

É aproveitando o momento que em que a “mola voltou ao lugar “ para retomar as rédias da vida e não traumatizar, nem amedrontar , fazer do sentido da vida de nossos amores : não a nossa dor( que muitas vezes é inevitável, eu sei), mas o mais normal possível.

Dt

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

O Skate e a Síndrome de Tourette

 

 

Vejam este maravilhoso vídeo que me foi enviado e que eu tenho um enorme prazer em compartilhar no blog, principalmente porque o skatista é portador da síndrome de Tourette, está realizando sonhos, lutando por ideais e mostrando ao mundo que podemos tudo de bom!

 

 

THC Skateboard Promo

www.youtube.com

Promo dos atletas: Alex Lage Marcelo Heleno Musica: Grajauex - Criolo Doido

http://m.youtube.com/watch?feature=m-feedu&v=5AC6jZayuBk

 

Parabéns !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

 

·

Goleiro com Síndrome de Tourette é punido .

 

 

O blog da Uol esporte  publicou uma matéria que prova a falta de informação  e a ignorância sobre a síndrome de Tourette  por parte da população.

 

 

Vejam:

 

“Jovem goleiro com síndrome de Tourette é punido por xingar árbitro na Inglaterra”

 

 

“Na Inglaterra, um goleiro de 14 anos foi suspenso e multado por xingar um árbitro. Nada mais justo, devem pensar vocês, leitores. Estaria tudo certo se não fosse por um detalhe: O jovem tem síndrome de Tourette.

A grosso modo, a síndrome de Tourette é um tipo de desordem neurológica que faz seu portador ter tiques, espasmos e/ou vocalizações repentinas – em outras palavras, neste caso, a pessoa não consegue controlar o que diz quando tem uma ‘crise’.

Após levar um gol, que causou a derrota de sua equipe, Owen Thompson soltou involuntariamente um palavrão direcionado ao árbitro (f…-se). Sem saber que o goleiro sofre de síndrome de Tourette, ele logo registrou o que houve e exigiu uma punição ao jogador.

Thompson foi suspenso por duas partidas e ainda levou uma multa de 25 libras (pouco mais de R$ 82), o que revoltou a mãe do goleiro. “A punição é ridícula. O futebol é realmente uma parte importante da vida dele”, disse Melanie.

O jovem também discordou da punição. “Não me parece justo. O futebol quase sempre suprime meus tiques, mas não posso controlá-los quando estou irritado ou estressado, que foi como o árbitro me deixou”, comentou Thompson, que ainda espera pela revisão do caso.”

 

Coprolalia, nas palavras do escritor do livro A Maldição de Tourette, é  um raro sintoma da ST, mais comum em homens que em mulheres. A coprolalia é caracterizada por xingamentos incessantes, palavrões e coisas sem sentido das quais o "tourrético" não tem controle.

O que me impressionou não foi apenas a atitude do árbitro, mas, os comentários dos leitores do blog da UOL. Sinceramente , uma vergonha!!!!!

Fonte: www.uolesporte.blogosfera.uol.com.br

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Não exclua!!!!!

 

Amei!!!!! Estou compartilhando com o mesmo propósito, vejam o que é excluir!!!!!!

 

vídeo compartilhado do youtube!

Diagnóstico e a síndrome de Tourette

.O diagnóstico da Síndrome de Tourette é feito através da presença de  sintomas característicos e pela história de surgimento desses sintomas.

.Não existe, atualmente, nenhum teste laboratorial específico que confirme o diagnóstico da ST.

.Podem ser úteis exames complementares (EEG, tomografia ou análises sangüíneas)   contribuindo para a exclusão de outros distúrbios que possuem sintomas semelhantes .

.Devido ao fato de a ST não apresentar um sintoma único, mas um conjunto de sintomas, a dificuldade no diagnóstico é evidente, quando se compara esta patologia com outras relacionadas, como: doença de Wilson, doença de Huntington, coréia de Sydenham, doença de Hallervorden-Spatz e com alguns tiques simples e múltiplos .

. Dependendo da equipe de saúde que atende o paciente afetado pela ST, o seu diagnóstico pode demorar muito, sendo os sintomas atribuídos comumente a algum transtorno psiquiátrico.

. Esses diagnósticos demorados e/ou errôneos podem submeter os pacientes a tratamentos desnecessários e dispendiosos, antes de se definir propriamente a patologia e o procedimento correto a ser realizado.


.Algumas características peculiares e o quadro clínico do paciente auxiliam no diagnóstico conclusivo da ST, onde sintomas como: a presença de múltiplos tiques motores e vocais, com início antes dos 18 anos de idade, sem origem em nenhuma resposta fisiológica (por exemplo, uso de estimulantes), com ocorrências diárias, estendendo-se por mais de um ano e com comprometimento social, ocupacional e/ou emocional, tornam-se decisivos para a definição do quadro patológico.

 

Fonte: revista de psiquiatria clínica ( Tourette por dentro da síndrome) Usp

Terapia Cognitiva-comportamental e Síndrome de Tourette

 

O uso da terapia cognitiva-comportamental para tratar os tiques na síndrome de Tourette :

“Em experimento com adultos, a terapia mostrou ser eficaz na reconstrução cognitiva e na modificação comportamental e fisiológica. Os resultados demonstraram uma diminuição significativa dos tiques e, o mais importante, foi possível observar uma normalização da atividade cerebral quantificável, relacionada à melhoria dos sintomas em pacientes com a síndrome.

A originalidade dos resultados do estudo endossou a presença de uma mudança cerebral mensurável como resultado destas mudanças cognitivas e comportamentais. Enfim, a terapia permite uma reconstrução cognitiva e também uma mudança comportamental e fisiológica. O estudo é o primeiro a demonstrar os efeitos fisiológicos de uma terapia cognitiva-comportamental em pacientes com a síndrome Gilles de la Tourette”

 

Fonte : www.cienciadiaria.com.br

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Livro autobiográfico sobre a vida de um portador de Tourette

 

 

“A Maldição de Tourette” é um livro que fala de violência moral e preconceito, de uma forma romanceada e bastante informativa. Giba Carvalheira é Pernambucano .

 

409211_526324694053072_1889809091_n[1]

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Lindo texto

 

 

Faz algum tempo que uma mãe  me enviou este texto, para que eu pudesse compartilhar no Blog, é um texto de R oberta Faria  para a revista Sorria. É realmente  lindo que nos deixa outras maneiras de pensar .

 

 

 

 

 

 

“O que nos cabe

Texto: Roberta Faria

 

Quando a Gabi nasceu, a primeira coisa que o médico falou foi “Ela é perfeita”. Respirava, o coração batia forte, tinha todos os dedos, veio grande e rechonchuda, passou em todos os exames. Era minha filha, já amada e esperada antes de chegar, e só havia o que comemorar.
Por um bom tempo, a Gabi correspondeu à previsão do médico e às expectativas (minhas e de qualquer mãe) de ser o bebê ideal. Tinha cachos dourados, bochechas cor-de-rosa, dobrinhas deliciosas. Mamava feito bezerro, crescia fora da curva, raramente adoecia. Também tinha todos os problemas típicos: chorava com cólicas, acordava de madrugada, cuspia o espinafre. O que só a fazia mais perfeita – era, afinal, tudo o que uma mãe esperava.
Foi no jardim de infância que as diferenças apareceram. Ela passava muito tempo sozinha, não tinha a coordenação dos bebês da idade, não participava das atividades do mesmo jeito. “Parece que está em outro planeta”, ouvi da professora. Mal sabia que, a partir dali, essa seria a frase mais usada para descrever a minha filha, por qualquer pessoa que passasse mais de meia hora com ela.
Fomos a muitos neurologistas, pediatras, psicólogos e psicopedagogos. Enquanto ela ainda era pequena, diziam que não era nada: só o jeitinho dela, ia passar. Quando a escola começou pra valer, as diferenças ficaram maiores, e veio a época das desculpas emocionais: é porque ela não se adaptou à escola. É porque mudou de cidade. É porque é filha única de mãe solteira que trabalha fora o dia inteiro. E haja culpa para acreditar em tudo.
Foi depois de repetir dois anos na escola que finalmente encontramos quem nos esclarecesse. Muitos exames e testes depois, ouvi um diagnóstico que me tirou o ar e o chão. Meu bebê, a esta altura uma menina enorme, que viera ao mundo sob a marca de “ela é perfeita”, tinha um cérebro com defeito de fabricação. Que não funcionava como deveria, e, mesmo com os melhores estímulos, nunca atingiria a média da maioria das pessoas.
Nada na vida me doeu mais do que essa notícia. Não por saber que minha filha não é perfeita: ao contrário, a amo ainda mais, se é que isso é possível. O que partiu meu coração foi pensar nos “nãos” debaixo do diagnóstico. É que perfeição não é só cobrança. Perfeição também é sonho. É um monte de desejos que a gente tem e que, quando realiza, ajuda a determinar a vida que construímos e a moldar nossa felicidade. Claro que, assim como sonhos, certas ideias de perfeição são inalcançáveis. Mas a busca por elas também pode ser uma forma de esperança, para nos mover e inspirar a fazer mais e melhor.
Ao saber que ela não era mais aquela menina perfeita, sofri por pensar que então ela não poderia ter uma vida perfeita. Que as limitações reduziriam também suas possibilidades, seus sonhos – suas chances de felicidade.
Levou um tempo para que eu entendesse que, na verdade, o que essa descoberta mudava não era o futuro da minha filha. Ela continuava a mesma, com as mesmas qualidades, defeitos, manias. O mesmo jeito de olhar para mim quando faz besteira, o desgosto por pratos que levem fígado, a paixão por filhotes de cachorro. O que precisaria ser diferente, daqui para a frente, eram as nossas expectativas – isto é, as nossas ideias sobre perfeição.
A gente costuma pensar que perfeição é um padrão, uma receita que serve para todos. Ora, é como querer que todos calcem o mesmo sapato. Enquanto estamos na média (que, aliás, é calçar 36, para mulheres, e 41, para homens), parece possível. Mas, quando não há fôrma que lhe caiba, melhor encontrar outro jeito de dar seus passos do que sofrer a vida toda para se encaixar onde não dá.
Buscar essas outras maneiras – esses outros sapatos – não torna necessariamente mais fácil o caminhar. São montes de dificuldades, todos os dias. Mas os passos são mais tranquilos, e já não doem como antes. Assim, a gente sofre menos com o que não nos cabe, aproveita mais a paisagem – e suspeito que chega mais perto da felicidade.”

 

Fonte:http://revistasorria.com.br

Como estimular o convívio social do portador de síndrome de Tourette?

 

Reforçar comportamentos adequados

Ser estimulado a se comportar de maneira  mais aberta, sem agressividade, timidez ou medo.

Quanto mais situações sociais forem expostos, menos anciosos ficarão em relação as mesmas, diminuindo assim os tiques

 

 

Fonte: Tiques, Cacoetes, Síndrome de Tourette – Ana Hounie e Eurípedes Miguel

O impacto de um diagnóstico de Sindrome de Tourette para uma criança ou adolescente.

 

“Sempre expliquei tudo para meus filhos, para o que tem a síndrome e para o que não tem, um ajuda o outro. Acredito em parcerias. Desde dos cinco anos que a palavra é pronunciada por meu filho corretamente :Tourette. Ele sempre soube o seu significado, claro que de acordo com a idade e só o necessário para seguir. Depois , ele mesmo foi tirando suas conclusões e hoje tenho orgulho de como meus dois filhos encaram a síndrome , as vezes fácil, as vezes difícil, mas com vida, alegria, família, amigos, escola, amor, tristeza , felicidade e acima de tudo fé! “ DT

 

“ È muito importante a terapia , eu diria fundamental”DT

 

Como diminuir este impacto na vida de nossos filhos, portadores ou irmãos, é uma preocupação que nos acompanha. Um dos motivos deste cuidado é que as crianças e os adolescentes interpretam a notícia de modo diferente do adulto.

Se a síndrome de Tourette está afetando sua família:

PROTEJA-OS –>  Você pode determinar a quantidade de informações que seus filhos poderão receber. Claro , que vai depender da idade , maturidade e estrutura emocional deles. Bom , não vamos esquecer também , que basta um clic no computador e as informações  estarão lá . È importante que as orientações e ensinamentos sobre a síndrome parta dos pais, serão seguras, , sem alarme, reais, corretas, confiáveis. Fiquem atentos a qualquer sinal de medo ou ansiedade em seus filhos.

EDUQUE-OS –> à medida que nossos filhos crescem , podemos aproveitar reportagens , notícias, livros, frases, para dividir com eles, aproveitando a oportunidade para esclarecer algo mais . Destaque os aspectos positivos da síndrome, por exemplo, a compreensão com os outros, a força em ultrapassar limites, amigos…

TRANQUILIZE-OS –> existem casos simples, médios e os graves são raros, devemos ver o lado melhor , espererar o melhor.Pergunte o que seu filho acha da síndrome, ensine meios de lídar com os tics , como fazer se alguem perguntar o por que de seus barulhos estranhos, mostre a seu filho outras pessoas que tambem tem Tourette e são imensamente felizes, realizados ou com problemas como todos nós humanos.

TENHA UM CONCEITO EQUILIBRADO –> não podemos ter medo de coisas que talvez nem aconteçam conosco , sim, devemos está teoricamente preparados para o futuro e preparar , mas sem nos armarmos. Situações difíceis são comuns para qualquer humano, para a síndrome também, então uma boa dose de equilíbrio e sensatez . È deixar ligado o pisca alerta!!!!

 

Eu estava lendo a revista Despertai! e achei esses quatro conceitos que serviram perfeitamente para o tema acima, o texto original era sobre o impacto das notícias em seus filhos(jornais)

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Indisciplina ou Tdah

 Indisciplina Infantil e o TDAH:



 *Crianças são marcadas por professores, colegas de sala e  pelos pais de indisciplinadas e  preguiçosas...
 
*Geralmente apresentam uma atenção dispersa, impulsividade, desorganização, impaciência, dificuldade de aprendizagem e de relacionamento.
 
*Comportamentos como esses,podem ser  característica do transtorno do déficit de atenção/hiperatividade (TDAH).

  *Um diagnóstico incorreto pode acentuar ainda mais os prejuízos causados.


Fonte:Psicologado Artigos
.
Como ensinar nossos filhos a lidar com a síndrome de Tourette de uma maneira leve?

Parece uma missão impossível, mas não é!!!!

Um portador quando é uma criança , sabe que algo estranho está acontecendo com ele, movimentos estranhos aparecem, e ele não consegue controlar.

 Ou os olhos piscam rápido, ou o ombro mexe sem parar , ou talvez tiques vocais , e isso vai mudando de lugar e de força.

 E a criança sente uma enorme dificuldade de entendê-los e de aceitá-los.

Nós , os pais , nesta fase,  estamos recebendo um diagnóstico e nada mais justo que esclarecermos a nossos filhos o que significa ser portador da síndrome.

Claro que a explicação é de acordo com a idade , meu filho tinha cinco anos quando recebemos o diagnóstico e lhe dissemos o que tinha . "Eles  são tão pequenos" pensamos,. mas sofrem com o desconhecido sim.  Tudo deve ser dito sem alarme, com a naturalidade que somos capaz.



 Uma maneira simples de se dizer a criança :

Um tique é quando uma parte do seu rosto ou corpo faz movimentos que você não quer que ele faça. Alguns medicamentos controlam esses tiques, é como um soluço ou um espirro, começa sem explicação e não controlamos.

DT





sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Síndrome de Tourettte

"Síndrome de Tourette, um distúrbio hereditário neurobiológico, é caracterizado por movimentos involuntários bruscos e vocalizações, conhecidos como tiques.  Menos de 10 por cento das pessoas afetadas têm o  que é conhecido como coprolalia. A Síndrome de Tourette  não está ainda totalmente compreendida, e até à data, a cura não foi encontrada. Estima-se que uma pessoa em cada cem tem uma forma leve da doença e uma em mil tem um caso grave de TS. "

Fonte: Team TSA

quinta-feira, 25 de outubro de 2012



Para quem mora em São Paulo , excelente oportunidade, não percam!!!!!!


 PROMOVIDO PELA ASTOC :

Encontro Educacional - 2012


Esses encontros são destinados às pessoas com TOC, Tiques, Síndrome de Tourette e familiares, com o objetivo de esclarecer temas importantes relacionados ao diagnóstico e tratamento destes transtornos.Os palestrantes são profissionais especializados na área.
DATA: 27/10/2012 ( sábado) HORÁRIO: das 9:00 hrs às 12:30 hrs
LOCAL: Anfiteatro do CAPS Itapeva
Rua Carlos Comenale, 32 – Cerqueira Cesar
Metrô Trianon – Atrás do MASP (Museu de Arte de SP)

TEMA:

A IMPORTÂNCIA DA ADESÃO À FÁRMACO E À PSICOTERAPIA

Estudo Enxaqueca e Tourette:


"Recente estudo na literatura científica ,avaliou 109 pacientes com  Síndrome de Tourette, menores que 21 anos de idade. O objetivo era avaliar a frequência de dor de cabeça. Os autores encontraram que 55% deles tinha dores de cabeça crônica. Dessas, a maioria era do tipo enxaqueca e cefaléia tensional. E essas frequências são 4 e 5 vezes maiores do que as encontradas na população pediátrica em geral, respectivamente. Conclui-se que as pessoas com Síndrome de Tourette têm uma vulnerabilidade maior para dor de cabeça e devem ser investigadas a esse respeito e adequadamente tratadas. "

Fonte: Ana Hounie Toc e Tourette

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Música e Tourette

                                          Não podemos desistir de sonhos!!!!!  Adorei Márcia!!!!
Admiro pessoas que lutam por sonhos , por mais difíceis que sejam. Cantar com Tourette e encantar . Presente!!!!



Fonte: youtube


                 
                        Fonte: Foto de RubemAlves_Oficial      

Ataque de Birra

Em primeiro lugar, devem dar o exemplo, ou seja, devem mostrar que estão controlados. "O mais produtivo é que os pais mantenham a calma. E tentem descobrir o que está acontecendo com a criança, qual o motivo da insatisfação", diz Christine Bruder, psicóloga do bercário Primetime Child Development. Mas também é preciso ter em mente que nem sempre será possível estabelecer com a criança uma conversa nessa hora.

"Deixe-a fazer a birra, não fale muito (ela não vai ouvir mesmo), espere passar, proteja-a para que não se machuque e quando ela estiver mais calma, aí sim, converse", diz a psicóloga do Hospital São Camilo de São Paulo, Rita Calegari. "Como parte da birra envolve chamar atenção, quando a criança ficar birrenta evite que todo mundo fique dando atenção (lembre-se que atenção de pai e mãe vale ouro pra criança). Leve-a para um local reservado, monitorando-a. Não a deixe sozinha sem supervisão de um adulto", acrescenta a psicóloga.
Como os pais devem reagir quando as crianças têm ataque de birra?
 

"Em primeiro lugar, devem dar o exemplo, ou seja, devem mostrar que estão controlados. "O mais produtivo é que os pais mantenham a calma. E tentem descobrir o que está acontecendo com a criança, qual o motivo da insatisfação", diz Christine Bruder, psicóloga do bercário Primetime Child Development. Mas também é preciso ter em mente que nem sempre será possível estabelecer com a criança uma conversa nessa hora.

"Deixe-a fazer a birra, não fale muito (ela não vai ouvir mesmo), espere passar, proteja-a para que não se machuque e quando ela estiver mais calma, aí sim, converse", diz a psicóloga do Hospital São Camilo de São Paulo, Rita Calegari. "Como parte da birra envolve chamar atenção, quando a criança ficar birrenta evite que todo mundo fique dando atenção (lembre-se que atenção de pai e mãe vale ouro pra criança). Leve-a para um local reservado, monitorando-a. Não a deixe sozinha sem supervisão de um adulto", acrescenta a psicóloga."



Fonte:www.educarparacrescer.abril.com.br

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

"A marca de chocolate "Twix", produzida pela empresa "Mars Incorporated", divulgou um comercial no Brasil em que o transtorno é mostrado de uma forma alegre e até mesmo divertida, porém não devemos nos esquecer de que os sintomas deste transtorno costumam causar sérios prejuízos sociais para o paciente, principalmente pela falta de compreensão pela população leiga desta patologia. "


                          Fonte: http://belasartesmedicas.blogspot.com





                        









O que esperar da Síndrome de Tourette?

"O prognóstico é bom, exceto no período entre 10 e 15 anos em que os indivíduos geralmente têm piora dos sintomas . Na fase adulta o curso da doença é variável, mas a maioria apresenta leves tiques, mais ou menos estáveis, que crescem e diminuem conforme a fase de maior ou menor estresse. A pior complicação se relaciona ao desenvolvimento de transtornos psiquiátricos obsessivo-compulsivos, com fixação em manias de caráter patológico estigmatizante. Na maioria dos adultos acometidos, o que se observa são discretos tiques acometendo a região da face, cabeça e pescoço, associados à atividades obsessivo-compulsivos como abrir e fechar várias vezes uma pasta para certificar-se de que a mesma esta fechada, ligar e desligar um determinado aparelho eletrônico para ter certeza de que está desligado, entre muitas outras compulsões ou obsessões."
Fonte:http://psicopedagogiaeducacao.blogspot.com.br

Profissão e Síndrome de Tourette

Profissão e Síndrome de Tourette

Algumas raras vezes a ST prejudica a escolha da profissão. Não podemos nos esquecer de que a maioria dos pacientes são portadores de formas leves da ST.  Um número crescente de portadores de formas moderadas ou até mais intensas da ST vêm obtendo sucesso profissional nas mais diversas áreas como medicina, engenharia, direito, jornalismo, esportes e ciência da computação. Muitos outros estão sendo treinados com sucesso em centros universitários em áreas técnicas e de comércio.
 
Fonte: Riostoc

Remissão e Tourette

 Uma remissão é possível?

Remissão pode ocorrer a qualquer instante. Os dados atualmente disponíveis sugerem que os tiques tendem a estabilizar-se e a ficar menos intensos na idade adulta. As pessoas diagnosticadas têm o mesmo tempo de vida que as pessoas sem a síndrome.
 
Fonte: RIOSTOC


Foto compartilhada do movimento anjos azuis

Dia do professor

Professor tem o poder de mudar opiniões, de transformar vidas, de fazer sonhar, de ajudar a realizar sonhos, de mostrar o mundo além das letras.


                                        
                                            foto retirada do google

 Ser professor é uma escolha de amor, de doação, de tempo, de energia, nem sempre com o retorno esperado.

Vejo a escolha de ser professor como um dom. Eu imagino que sensação maravilhosa ver a sementinha que se plantou , crescer.

Hoje com a inclusão , vejo o dobro da importância de um professor: tem em suas mãos a chave do futuro, pode motivar para vida ou pode ajudar a cair.

Seu olhar para com os alunos tem que está alerta, este é o verdadeiro professor: aquele que ver  o aluno como ser único, no meio de tantos.

O contentamento no olhar é a chave da profissão, ensinar com a alma, ensinar com Deus no coração!!!

O Blog VidacomTourette, ao mesmo tempo que parabeniza  por escolherem esta transformadora profissão, agradece a dedicação com que muitos professores tem nos procurado para aprender mais sobre as diferenças de cada um. Agradeço a cada mestre, que leu o kit e aplicou mesmo  o mínimo para transformar a dificuldade num caminhar possível.

Obrigada por cada professor que procura   informações para especialização  neste blog, isso me deixa imensamente feliz, porque é sinal  que nossos professores, os professores de nossos filhos estão dispostos a enfrentar desafios e participar da verdadeira inclusão. Aquela que ajuda a ultrapassar barreiras .

Obrigada PROFESSOR!

Aos professores do Colégio Santa Úrsula  e do PAIE   meu agradecimento mais do que especial.

DT

Foto: Hoje, mal entrei no Face, recebi essas palavras de uma aluna muitíssimo especial:

"pra você que é uma professora maravilhosa, que ensina bem, que nos alegra, que nos ensina tudo de melhor, não apenas ensinamentos da sua disciplina, mas também ensinamentos da vida, gosto muito de você, e nunca lhe esquecerei!"

Não é fofo? A gente não tem como se esquecer de ser professor justamente por isso: pela gratidão e pela capacidade de transformação que a educação tem!

Obrigada mais uma vez, Maria Alyce Dias!
foto retirada do google



Estresse e Tourette

" En el Sindrome de Tourette, el stress puede causar un incremento dramatico en tics(y tambien afectar obsesiones, dificultades sensoriales y ansiedad)"

              Tic-Toc Tourette Honduras


Na síndrome de Tourette, o stress pode provocar um aumento dramático nos tiques (e também afetar obsessões, dificuldades sensoriais e ansiedade)"

terça-feira, 9 de outubro de 2012

  "A vida é preciso se integrar. A vida é preciso agradecer. A vida é preciso viver. "

                                                                                            Pe Airton Freire

Bullying

                Entenda o Bullying:


"Bullying é um conjunto de atitudes agressivas, intencionais e repetitivas que ocorrem sem motivação evidente, adotado por um ou mais alunos contra outro (s), causando dor, angústia e sofrimento. Insultos, intimidações, apelidos cruéis, gozações que magoam profundamente, acusações injustas, atuação de grupos que hostilizam, ridicularizam e infernizam a vida de outros alunos levando-os à exclusão, além de danos físicos, morais e materiais, são algumas das manifestações do "comportamento bullying" (Fante, 2005, p. 28 e 29)."








Texto sobre TOurette


TEXTO EXPLICATIVO SOBRE A SÌNDROME DE TOURETTE








TIQUE NERVOSO:       ENTENDA A SÍNDROME DE TOURETTE
Por Thaís Petroff


"A Síndrome de Tourette ou Síndrome de Gilles de La Tourette é uma doença de natureza neuropsiquiátrica (neurológica e psiquiátrica), caracterizada por fenômenos compulsivos, que resultam em uma série repentina de múltiplos tiques (motores e vocais) com frequência recorrente (diversas vezes ao dia)"

Piscar, chutar, xingar, se coçar, pigarrear, fazer caretas, tossir, retorcer-se, cheirar, tocar pessoas, etc... São alguns comportamentos que isoladamente e dentro de um contexto podem fazer todo o sentido. Mas e quando eles ocorrem de repente, sem nenhum estímulo aparente e ainda de maneira repetitiva? É possível que algumas pessoas chamem isso de tique e de certo modo elas têm razão.

No entanto, quando esses comportamentos iniciam-se em fase precoce da vida, são extremamente frequentes e estimulados por situações de estresse, podemos estar diante de uma patologia.

A Síndrome de Tourette ou Síndrome de Gilles de La Tourette é uma doença de natureza neuropsiquiátrica (neurológica e psiquiátrica), caracterizada por fenômenos compulsivos, que resultam em uma série repentina de múltiplos tiques (motores e vocais) com frequência recorrente (diversas vezes ao dia). Tem início geralmente na infância ou adolescência e por definição antes dos 18 anos de idade. A idade média de início para os tiques motores é de sete anos e é uma doença de curso crônico e vitalício (para o restante da vida), no entanto pode sofrer remissões de períodos que vão de semanas e até anos.


CARACTERÍSTICAS E TRANSTORNOS ASSOCIADOS

Os sintomas mais comumente associados ao transtorno de Tourette são obsessões: pensamentos intrusivos, repetitivos e persistentes e compulsões comportamentos/ações que a pessoa se sente impelida a executar e que tem muita dificuldade em controlar. Hiperatividade, distração e impulsividade são relativamente comuns. Desconforto social com a sensação de estar sendo observado pelos outros, vergonha e humor deprimido também ocorrem com frequência.

A vida social, acadêmica ou profissional pode ser prejudicada, em vista da rejeição pelos outros ou ansiedade do próprio indivíduo quanto a ter os tiques em situações sociais. Em casos severos de Sindrome de Tourette, os tiques podem interferir diretamente nas atividades diárias como por exemplo: estudar, escrever, lavar a louça, etc...


OS TIQUES SÃO DIVIDIDOS EM DOIS TIPOS

SONOROS: fungar, assoviar, repetir frases, grunhir, estalar a língua, suspirar

MOTORES: pular, estalar os dedos, torcer o pescoço.

A coprolalia (falar palavrões ou obscenidades) e a copropraxia (gestos obscenos) são bem raras, estando presentes em menos de 10% da população com esse transtorno.

Os pacientes têm apenar alguns desses sintomas, geralmente o maior mal sendo o de ver-se como inadequado, negativizando o autoconceito (autoestima) e podendo até dificultar na realização de algumas atividades. No entanto, podem ocorrer complicações raras com alguns deles, mas com repercussões mais sérias para sua saúde física, incluindo ferimentos físicos ou problemas cutâneos tais como machucar-se (por beliscar-se ou coçar-se demasiadamente) ou ainda, a cegueira devido ao descolamento da retina (por bater a cabeça, golpear-se ou cutucar o olho) e problemas ortopédicos (por flexionar demais os joelhos, virar excessivamente o pescoço ou a cabeça).

Existem alguns outros transtornos que geralmente podem estar associados à Síndrome de Tourette, tais como: Transtorno Obsessivo-Compulsivo, Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade, Transtorno da Aprendizagem, Fobia Social e Depressão.


TRATAMENTO

Não há cura para a Síndrome de Tourette, mas existem várias maneiras de controlá-la. Os tratamentos dependem de cada paciente e são escolhidos de acordo com a necessidade e dificuldades do mesmo no dia a dia, ou seja, o quanto o transtorno afeta sua vida.

A terapia de reversão de hábito é um tipo de terapia comportamental que provou ser bem-sucedida em pacientes que sofrem dessa síndrome. A terapia tem entre seus componentes o treinamento de consciência (estar alerta e consciente), o treinamento de resposta competitiva (que compete com o tique), etc.

Especialistas acreditam que a resposta competitiva é a chave para o sucesso da terapia. Um paciente que sofre de tiques é treinado a identificar melhor quando um tique irá ocorrer (antecipar o comportamento). Quando ele tem um impulso para realizar o tique, realiza uma resposta competitiva: geralmente uma ação que usa os mesmos músculos que o tique usaria. Por exemplo, se ele sofre de um tique de encolhimento dos ombros, uma resposta competitiva seria esticar os músculos do pescoço e empurrar os ombros para baixo. Através desse processo o paciente vai percebendo que pode ter controle, amenizar e até suprimir os tiques.

Alguns dos pacientes com o transtorno precisam de medicação. No entanto, a maioria só faz uso dela se os sintomas interferem de maneira importante em seu cotidiano. Diversos médicos evitam preescrever remédios em função de seus efeitos colaterais e também pelo fato de que a maioria dos tiques podem ser controlados com suporte profissional e conscientização
 
 

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Encontro Educacional - Astoc SP

Maravilhosa oportunidade!!!!!!!!! Adoraria está neste encontro!!!!

Os Eventos promovidos pela ASTOC são destinados às pessoas com Transtorno Obsessivo Compulsivo, Tiques e Síndrome de Tourette, e familiares com o objetivo de esclarecer temas importantes relacionados ao diagnóstico e tratamento destes transtornos.



Encontro Educacional - 2012


Esses encontros são destinados às pessoas com TOC, Tiques, Síndrome de Tourette e familiares, com o objetivo de esclarecer temas importantes relacionados ao diagnóstico e tratamento destes transtornos.Os palestrantes são profissionais especializados na área.
DATA: 27/10/2012 ( sábado) HORÁRIO: das 9:00 hrs às 12:30 hrs
LOCAL: Anfiteatro do CAPS Itapeva
Rua Carlos Comenale, 32 – Cerqueira Cesar
Metrô Trianon – Atrás do MASP (Museu de Arte de SP)

TEMA:




A IMPORTÂNCIA DA ADESÃO À FÁRMACO E À PSICOTERAPIA
(O que se pode esperar de cada tratamento. O quanto cada um pode funcionar. Porque é infundado o temor de desenvolver dependência da medicação. A
participação ativa que se precisa obter do portador e da família em psicoterapia).
Palestrantes: Dr. Eduardo Aliende Perin: Psiquiatra, Pós-graduando pela
Unifesp Membro Consórcio Brasileiro Pesquisa TOC (C-Toc)
Rosana Mastrorosa – Psicóloga Cognitivo Comportamental .
Membro do C- TOC do IPQ. Orientadora de Grupo de
Tourette da Astoc
INSCRIÇÕES GRATUITAS - VAGAS LIMITADAS
Informações e Inscrições pelo telefone (11) 3541-2294

 
 
Fonte: www.astoc. org.br

domingo, 7 de outubro de 2012

sábado, 6 de outubro de 2012

Adolescente!!! E agora?????

             Adolescente !!!! E agora????


                                                                " As palavras movem , mas os exemplos é que arrastam."


A adolescência chegou !!!!

 O que será e o que escolherá da vida não sabemos ainda.

Sei que  a nossa função é dar apoio , continuar acompanhando , com os olhos e com o coração bem aberto, em todos os sentidos.

Não é mais uma questão, apenas, de hormônios aumentando os tiques  , mas também de escolhas .

 Como preparar nossos filhos para essa fase da vida? Um leque de regras surge e ainda maior é a oposição ...

Nesta fase a Tourette deve está ou ser bem trabalhada .

Devemos compreender  e sermos mais maleáveis , malabaristas o quanto for permitido , afinal  não podemos esquecer que é uma fase de mudanças tanto para a não mais criança quanto para a Tourette.

Temos que ter o cuidado de deixá-los viver, da maneira mais natural possível, independente de serem portadores de Tourette ou não, e ainda termos o cuidado com as regras.

Sabemos que " nessa fase existem inseguranças e insatisfações naturais da idade em relação a si mesmo e aos outros", podemos imaginar, adicionando as dúvidas da própria fase ao enfrentamento de suas  "diferenças": tiques, tocs, etc...

Auto-estima, nessa fase, deve está bem preparada , bem trabalhada  e a confiança em si mesmo, também.

Um dos momentos mais difíceis da maternidade  , o mais maduro  e de crescimento para pais e filhos.

Temos que enfrentar mais uma nova etapa e que etapa maravilhosa de descoberta . Como disse Pe. Márcio Fabri  " Nascer é saltar para vida".

Flexibilidade , talvez seja a chave, suavidade também.

Mas como ser flexível diante de tantas tentações e como ser suave diante das provocações.

Desafios e emoções devem ser recebidas com o coração aberto, aliás , escancarado  para nos doarmos até o limite deles. ( O problema é saber o limite , tanto o nosso , quanto o deles )

Importante sabermos diferenciar o que é da Tourette , o que  é do adolescente.

 Pais e filhos mergulhando de cabeça nessa nova aventura, cheia de inquietude e alegria.

 Chegar nessa fase e ver tudo de bom acontecendo .

" O momento é aconchegar , cuidar e compreender"

Dt

 E curtirmos juntos essa fase maravilhosa