quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Lindo texto

 

 

Faz algum tempo que uma mãe  me enviou este texto, para que eu pudesse compartilhar no Blog, é um texto de R oberta Faria  para a revista Sorria. É realmente  lindo que nos deixa outras maneiras de pensar .

 

 

 

 

 

 

“O que nos cabe

Texto: Roberta Faria

 

Quando a Gabi nasceu, a primeira coisa que o médico falou foi “Ela é perfeita”. Respirava, o coração batia forte, tinha todos os dedos, veio grande e rechonchuda, passou em todos os exames. Era minha filha, já amada e esperada antes de chegar, e só havia o que comemorar.
Por um bom tempo, a Gabi correspondeu à previsão do médico e às expectativas (minhas e de qualquer mãe) de ser o bebê ideal. Tinha cachos dourados, bochechas cor-de-rosa, dobrinhas deliciosas. Mamava feito bezerro, crescia fora da curva, raramente adoecia. Também tinha todos os problemas típicos: chorava com cólicas, acordava de madrugada, cuspia o espinafre. O que só a fazia mais perfeita – era, afinal, tudo o que uma mãe esperava.
Foi no jardim de infância que as diferenças apareceram. Ela passava muito tempo sozinha, não tinha a coordenação dos bebês da idade, não participava das atividades do mesmo jeito. “Parece que está em outro planeta”, ouvi da professora. Mal sabia que, a partir dali, essa seria a frase mais usada para descrever a minha filha, por qualquer pessoa que passasse mais de meia hora com ela.
Fomos a muitos neurologistas, pediatras, psicólogos e psicopedagogos. Enquanto ela ainda era pequena, diziam que não era nada: só o jeitinho dela, ia passar. Quando a escola começou pra valer, as diferenças ficaram maiores, e veio a época das desculpas emocionais: é porque ela não se adaptou à escola. É porque mudou de cidade. É porque é filha única de mãe solteira que trabalha fora o dia inteiro. E haja culpa para acreditar em tudo.
Foi depois de repetir dois anos na escola que finalmente encontramos quem nos esclarecesse. Muitos exames e testes depois, ouvi um diagnóstico que me tirou o ar e o chão. Meu bebê, a esta altura uma menina enorme, que viera ao mundo sob a marca de “ela é perfeita”, tinha um cérebro com defeito de fabricação. Que não funcionava como deveria, e, mesmo com os melhores estímulos, nunca atingiria a média da maioria das pessoas.
Nada na vida me doeu mais do que essa notícia. Não por saber que minha filha não é perfeita: ao contrário, a amo ainda mais, se é que isso é possível. O que partiu meu coração foi pensar nos “nãos” debaixo do diagnóstico. É que perfeição não é só cobrança. Perfeição também é sonho. É um monte de desejos que a gente tem e que, quando realiza, ajuda a determinar a vida que construímos e a moldar nossa felicidade. Claro que, assim como sonhos, certas ideias de perfeição são inalcançáveis. Mas a busca por elas também pode ser uma forma de esperança, para nos mover e inspirar a fazer mais e melhor.
Ao saber que ela não era mais aquela menina perfeita, sofri por pensar que então ela não poderia ter uma vida perfeita. Que as limitações reduziriam também suas possibilidades, seus sonhos – suas chances de felicidade.
Levou um tempo para que eu entendesse que, na verdade, o que essa descoberta mudava não era o futuro da minha filha. Ela continuava a mesma, com as mesmas qualidades, defeitos, manias. O mesmo jeito de olhar para mim quando faz besteira, o desgosto por pratos que levem fígado, a paixão por filhotes de cachorro. O que precisaria ser diferente, daqui para a frente, eram as nossas expectativas – isto é, as nossas ideias sobre perfeição.
A gente costuma pensar que perfeição é um padrão, uma receita que serve para todos. Ora, é como querer que todos calcem o mesmo sapato. Enquanto estamos na média (que, aliás, é calçar 36, para mulheres, e 41, para homens), parece possível. Mas, quando não há fôrma que lhe caiba, melhor encontrar outro jeito de dar seus passos do que sofrer a vida toda para se encaixar onde não dá.
Buscar essas outras maneiras – esses outros sapatos – não torna necessariamente mais fácil o caminhar. São montes de dificuldades, todos os dias. Mas os passos são mais tranquilos, e já não doem como antes. Assim, a gente sofre menos com o que não nos cabe, aproveita mais a paisagem – e suspeito que chega mais perto da felicidade.”

 

Fonte:http://revistasorria.com.br

Como estimular o convívio social do portador de síndrome de Tourette?

 

Reforçar comportamentos adequados

Ser estimulado a se comportar de maneira  mais aberta, sem agressividade, timidez ou medo.

Quanto mais situações sociais forem expostos, menos anciosos ficarão em relação as mesmas, diminuindo assim os tiques

 

 

Fonte: Tiques, Cacoetes, Síndrome de Tourette – Ana Hounie e Eurípedes Miguel

O impacto de um diagnóstico de Sindrome de Tourette para uma criança ou adolescente.

 

“Sempre expliquei tudo para meus filhos, para o que tem a síndrome e para o que não tem, um ajuda o outro. Acredito em parcerias. Desde dos cinco anos que a palavra é pronunciada por meu filho corretamente :Tourette. Ele sempre soube o seu significado, claro que de acordo com a idade e só o necessário para seguir. Depois , ele mesmo foi tirando suas conclusões e hoje tenho orgulho de como meus dois filhos encaram a síndrome , as vezes fácil, as vezes difícil, mas com vida, alegria, família, amigos, escola, amor, tristeza , felicidade e acima de tudo fé! “ DT

 

“ È muito importante a terapia , eu diria fundamental”DT

 

Como diminuir este impacto na vida de nossos filhos, portadores ou irmãos, é uma preocupação que nos acompanha. Um dos motivos deste cuidado é que as crianças e os adolescentes interpretam a notícia de modo diferente do adulto.

Se a síndrome de Tourette está afetando sua família:

PROTEJA-OS –>  Você pode determinar a quantidade de informações que seus filhos poderão receber. Claro , que vai depender da idade , maturidade e estrutura emocional deles. Bom , não vamos esquecer também , que basta um clic no computador e as informações  estarão lá . È importante que as orientações e ensinamentos sobre a síndrome parta dos pais, serão seguras, , sem alarme, reais, corretas, confiáveis. Fiquem atentos a qualquer sinal de medo ou ansiedade em seus filhos.

EDUQUE-OS –> à medida que nossos filhos crescem , podemos aproveitar reportagens , notícias, livros, frases, para dividir com eles, aproveitando a oportunidade para esclarecer algo mais . Destaque os aspectos positivos da síndrome, por exemplo, a compreensão com os outros, a força em ultrapassar limites, amigos…

TRANQUILIZE-OS –> existem casos simples, médios e os graves são raros, devemos ver o lado melhor , espererar o melhor.Pergunte o que seu filho acha da síndrome, ensine meios de lídar com os tics , como fazer se alguem perguntar o por que de seus barulhos estranhos, mostre a seu filho outras pessoas que tambem tem Tourette e são imensamente felizes, realizados ou com problemas como todos nós humanos.

TENHA UM CONCEITO EQUILIBRADO –> não podemos ter medo de coisas que talvez nem aconteçam conosco , sim, devemos está teoricamente preparados para o futuro e preparar , mas sem nos armarmos. Situações difíceis são comuns para qualquer humano, para a síndrome também, então uma boa dose de equilíbrio e sensatez . È deixar ligado o pisca alerta!!!!

 

Eu estava lendo a revista Despertai! e achei esses quatro conceitos que serviram perfeitamente para o tema acima, o texto original era sobre o impacto das notícias em seus filhos(jornais)

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Indisciplina ou Tdah

 Indisciplina Infantil e o TDAH:



 *Crianças são marcadas por professores, colegas de sala e  pelos pais de indisciplinadas e  preguiçosas...
 
*Geralmente apresentam uma atenção dispersa, impulsividade, desorganização, impaciência, dificuldade de aprendizagem e de relacionamento.
 
*Comportamentos como esses,podem ser  característica do transtorno do déficit de atenção/hiperatividade (TDAH).

  *Um diagnóstico incorreto pode acentuar ainda mais os prejuízos causados.


Fonte:Psicologado Artigos
.
Como ensinar nossos filhos a lidar com a síndrome de Tourette de uma maneira leve?

Parece uma missão impossível, mas não é!!!!

Um portador quando é uma criança , sabe que algo estranho está acontecendo com ele, movimentos estranhos aparecem, e ele não consegue controlar.

 Ou os olhos piscam rápido, ou o ombro mexe sem parar , ou talvez tiques vocais , e isso vai mudando de lugar e de força.

 E a criança sente uma enorme dificuldade de entendê-los e de aceitá-los.

Nós , os pais , nesta fase,  estamos recebendo um diagnóstico e nada mais justo que esclarecermos a nossos filhos o que significa ser portador da síndrome.

Claro que a explicação é de acordo com a idade , meu filho tinha cinco anos quando recebemos o diagnóstico e lhe dissemos o que tinha . "Eles  são tão pequenos" pensamos,. mas sofrem com o desconhecido sim.  Tudo deve ser dito sem alarme, com a naturalidade que somos capaz.



 Uma maneira simples de se dizer a criança :

Um tique é quando uma parte do seu rosto ou corpo faz movimentos que você não quer que ele faça. Alguns medicamentos controlam esses tiques, é como um soluço ou um espirro, começa sem explicação e não controlamos.

DT





sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Síndrome de Tourettte

"Síndrome de Tourette, um distúrbio hereditário neurobiológico, é caracterizado por movimentos involuntários bruscos e vocalizações, conhecidos como tiques.  Menos de 10 por cento das pessoas afetadas têm o  que é conhecido como coprolalia. A Síndrome de Tourette  não está ainda totalmente compreendida, e até à data, a cura não foi encontrada. Estima-se que uma pessoa em cada cem tem uma forma leve da doença e uma em mil tem um caso grave de TS. "

Fonte: Team TSA

quinta-feira, 25 de outubro de 2012



Para quem mora em São Paulo , excelente oportunidade, não percam!!!!!!


 PROMOVIDO PELA ASTOC :

Encontro Educacional - 2012


Esses encontros são destinados às pessoas com TOC, Tiques, Síndrome de Tourette e familiares, com o objetivo de esclarecer temas importantes relacionados ao diagnóstico e tratamento destes transtornos.Os palestrantes são profissionais especializados na área.
DATA: 27/10/2012 ( sábado) HORÁRIO: das 9:00 hrs às 12:30 hrs
LOCAL: Anfiteatro do CAPS Itapeva
Rua Carlos Comenale, 32 – Cerqueira Cesar
Metrô Trianon – Atrás do MASP (Museu de Arte de SP)

TEMA:

A IMPORTÂNCIA DA ADESÃO À FÁRMACO E À PSICOTERAPIA

Estudo Enxaqueca e Tourette:


"Recente estudo na literatura científica ,avaliou 109 pacientes com  Síndrome de Tourette, menores que 21 anos de idade. O objetivo era avaliar a frequência de dor de cabeça. Os autores encontraram que 55% deles tinha dores de cabeça crônica. Dessas, a maioria era do tipo enxaqueca e cefaléia tensional. E essas frequências são 4 e 5 vezes maiores do que as encontradas na população pediátrica em geral, respectivamente. Conclui-se que as pessoas com Síndrome de Tourette têm uma vulnerabilidade maior para dor de cabeça e devem ser investigadas a esse respeito e adequadamente tratadas. "

Fonte: Ana Hounie Toc e Tourette

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Música e Tourette

                                          Não podemos desistir de sonhos!!!!!  Adorei Márcia!!!!
Admiro pessoas que lutam por sonhos , por mais difíceis que sejam. Cantar com Tourette e encantar . Presente!!!!



Fonte: youtube


                 
                        Fonte: Foto de RubemAlves_Oficial      

Ataque de Birra

Em primeiro lugar, devem dar o exemplo, ou seja, devem mostrar que estão controlados. "O mais produtivo é que os pais mantenham a calma. E tentem descobrir o que está acontecendo com a criança, qual o motivo da insatisfação", diz Christine Bruder, psicóloga do bercário Primetime Child Development. Mas também é preciso ter em mente que nem sempre será possível estabelecer com a criança uma conversa nessa hora.

"Deixe-a fazer a birra, não fale muito (ela não vai ouvir mesmo), espere passar, proteja-a para que não se machuque e quando ela estiver mais calma, aí sim, converse", diz a psicóloga do Hospital São Camilo de São Paulo, Rita Calegari. "Como parte da birra envolve chamar atenção, quando a criança ficar birrenta evite que todo mundo fique dando atenção (lembre-se que atenção de pai e mãe vale ouro pra criança). Leve-a para um local reservado, monitorando-a. Não a deixe sozinha sem supervisão de um adulto", acrescenta a psicóloga.
Como os pais devem reagir quando as crianças têm ataque de birra?
 

"Em primeiro lugar, devem dar o exemplo, ou seja, devem mostrar que estão controlados. "O mais produtivo é que os pais mantenham a calma. E tentem descobrir o que está acontecendo com a criança, qual o motivo da insatisfação", diz Christine Bruder, psicóloga do bercário Primetime Child Development. Mas também é preciso ter em mente que nem sempre será possível estabelecer com a criança uma conversa nessa hora.

"Deixe-a fazer a birra, não fale muito (ela não vai ouvir mesmo), espere passar, proteja-a para que não se machuque e quando ela estiver mais calma, aí sim, converse", diz a psicóloga do Hospital São Camilo de São Paulo, Rita Calegari. "Como parte da birra envolve chamar atenção, quando a criança ficar birrenta evite que todo mundo fique dando atenção (lembre-se que atenção de pai e mãe vale ouro pra criança). Leve-a para um local reservado, monitorando-a. Não a deixe sozinha sem supervisão de um adulto", acrescenta a psicóloga."



Fonte:www.educarparacrescer.abril.com.br

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

"A marca de chocolate "Twix", produzida pela empresa "Mars Incorporated", divulgou um comercial no Brasil em que o transtorno é mostrado de uma forma alegre e até mesmo divertida, porém não devemos nos esquecer de que os sintomas deste transtorno costumam causar sérios prejuízos sociais para o paciente, principalmente pela falta de compreensão pela população leiga desta patologia. "


                          Fonte: http://belasartesmedicas.blogspot.com





                        









O que esperar da Síndrome de Tourette?

"O prognóstico é bom, exceto no período entre 10 e 15 anos em que os indivíduos geralmente têm piora dos sintomas . Na fase adulta o curso da doença é variável, mas a maioria apresenta leves tiques, mais ou menos estáveis, que crescem e diminuem conforme a fase de maior ou menor estresse. A pior complicação se relaciona ao desenvolvimento de transtornos psiquiátricos obsessivo-compulsivos, com fixação em manias de caráter patológico estigmatizante. Na maioria dos adultos acometidos, o que se observa são discretos tiques acometendo a região da face, cabeça e pescoço, associados à atividades obsessivo-compulsivos como abrir e fechar várias vezes uma pasta para certificar-se de que a mesma esta fechada, ligar e desligar um determinado aparelho eletrônico para ter certeza de que está desligado, entre muitas outras compulsões ou obsessões."
Fonte:http://psicopedagogiaeducacao.blogspot.com.br

Profissão e Síndrome de Tourette

Profissão e Síndrome de Tourette

Algumas raras vezes a ST prejudica a escolha da profissão. Não podemos nos esquecer de que a maioria dos pacientes são portadores de formas leves da ST.  Um número crescente de portadores de formas moderadas ou até mais intensas da ST vêm obtendo sucesso profissional nas mais diversas áreas como medicina, engenharia, direito, jornalismo, esportes e ciência da computação. Muitos outros estão sendo treinados com sucesso em centros universitários em áreas técnicas e de comércio.
 
Fonte: Riostoc

Remissão e Tourette

 Uma remissão é possível?

Remissão pode ocorrer a qualquer instante. Os dados atualmente disponíveis sugerem que os tiques tendem a estabilizar-se e a ficar menos intensos na idade adulta. As pessoas diagnosticadas têm o mesmo tempo de vida que as pessoas sem a síndrome.
 
Fonte: RIOSTOC


Foto compartilhada do movimento anjos azuis

Dia do professor

Professor tem o poder de mudar opiniões, de transformar vidas, de fazer sonhar, de ajudar a realizar sonhos, de mostrar o mundo além das letras.


                                        
                                            foto retirada do google

 Ser professor é uma escolha de amor, de doação, de tempo, de energia, nem sempre com o retorno esperado.

Vejo a escolha de ser professor como um dom. Eu imagino que sensação maravilhosa ver a sementinha que se plantou , crescer.

Hoje com a inclusão , vejo o dobro da importância de um professor: tem em suas mãos a chave do futuro, pode motivar para vida ou pode ajudar a cair.

Seu olhar para com os alunos tem que está alerta, este é o verdadeiro professor: aquele que ver  o aluno como ser único, no meio de tantos.

O contentamento no olhar é a chave da profissão, ensinar com a alma, ensinar com Deus no coração!!!

O Blog VidacomTourette, ao mesmo tempo que parabeniza  por escolherem esta transformadora profissão, agradece a dedicação com que muitos professores tem nos procurado para aprender mais sobre as diferenças de cada um. Agradeço a cada mestre, que leu o kit e aplicou mesmo  o mínimo para transformar a dificuldade num caminhar possível.

Obrigada por cada professor que procura   informações para especialização  neste blog, isso me deixa imensamente feliz, porque é sinal  que nossos professores, os professores de nossos filhos estão dispostos a enfrentar desafios e participar da verdadeira inclusão. Aquela que ajuda a ultrapassar barreiras .

Obrigada PROFESSOR!

Aos professores do Colégio Santa Úrsula  e do PAIE   meu agradecimento mais do que especial.

DT

Foto: Hoje, mal entrei no Face, recebi essas palavras de uma aluna muitíssimo especial:

"pra você que é uma professora maravilhosa, que ensina bem, que nos alegra, que nos ensina tudo de melhor, não apenas ensinamentos da sua disciplina, mas também ensinamentos da vida, gosto muito de você, e nunca lhe esquecerei!"

Não é fofo? A gente não tem como se esquecer de ser professor justamente por isso: pela gratidão e pela capacidade de transformação que a educação tem!

Obrigada mais uma vez, Maria Alyce Dias!
foto retirada do google



Estresse e Tourette

" En el Sindrome de Tourette, el stress puede causar un incremento dramatico en tics(y tambien afectar obsesiones, dificultades sensoriales y ansiedad)"

              Tic-Toc Tourette Honduras


Na síndrome de Tourette, o stress pode provocar um aumento dramático nos tiques (e também afetar obsessões, dificuldades sensoriais e ansiedade)"

terça-feira, 9 de outubro de 2012

  "A vida é preciso se integrar. A vida é preciso agradecer. A vida é preciso viver. "

                                                                                            Pe Airton Freire

Bullying

                Entenda o Bullying:


"Bullying é um conjunto de atitudes agressivas, intencionais e repetitivas que ocorrem sem motivação evidente, adotado por um ou mais alunos contra outro (s), causando dor, angústia e sofrimento. Insultos, intimidações, apelidos cruéis, gozações que magoam profundamente, acusações injustas, atuação de grupos que hostilizam, ridicularizam e infernizam a vida de outros alunos levando-os à exclusão, além de danos físicos, morais e materiais, são algumas das manifestações do "comportamento bullying" (Fante, 2005, p. 28 e 29)."








Texto sobre TOurette


TEXTO EXPLICATIVO SOBRE A SÌNDROME DE TOURETTE








TIQUE NERVOSO:       ENTENDA A SÍNDROME DE TOURETTE
Por Thaís Petroff


"A Síndrome de Tourette ou Síndrome de Gilles de La Tourette é uma doença de natureza neuropsiquiátrica (neurológica e psiquiátrica), caracterizada por fenômenos compulsivos, que resultam em uma série repentina de múltiplos tiques (motores e vocais) com frequência recorrente (diversas vezes ao dia)"

Piscar, chutar, xingar, se coçar, pigarrear, fazer caretas, tossir, retorcer-se, cheirar, tocar pessoas, etc... São alguns comportamentos que isoladamente e dentro de um contexto podem fazer todo o sentido. Mas e quando eles ocorrem de repente, sem nenhum estímulo aparente e ainda de maneira repetitiva? É possível que algumas pessoas chamem isso de tique e de certo modo elas têm razão.

No entanto, quando esses comportamentos iniciam-se em fase precoce da vida, são extremamente frequentes e estimulados por situações de estresse, podemos estar diante de uma patologia.

A Síndrome de Tourette ou Síndrome de Gilles de La Tourette é uma doença de natureza neuropsiquiátrica (neurológica e psiquiátrica), caracterizada por fenômenos compulsivos, que resultam em uma série repentina de múltiplos tiques (motores e vocais) com frequência recorrente (diversas vezes ao dia). Tem início geralmente na infância ou adolescência e por definição antes dos 18 anos de idade. A idade média de início para os tiques motores é de sete anos e é uma doença de curso crônico e vitalício (para o restante da vida), no entanto pode sofrer remissões de períodos que vão de semanas e até anos.


CARACTERÍSTICAS E TRANSTORNOS ASSOCIADOS

Os sintomas mais comumente associados ao transtorno de Tourette são obsessões: pensamentos intrusivos, repetitivos e persistentes e compulsões comportamentos/ações que a pessoa se sente impelida a executar e que tem muita dificuldade em controlar. Hiperatividade, distração e impulsividade são relativamente comuns. Desconforto social com a sensação de estar sendo observado pelos outros, vergonha e humor deprimido também ocorrem com frequência.

A vida social, acadêmica ou profissional pode ser prejudicada, em vista da rejeição pelos outros ou ansiedade do próprio indivíduo quanto a ter os tiques em situações sociais. Em casos severos de Sindrome de Tourette, os tiques podem interferir diretamente nas atividades diárias como por exemplo: estudar, escrever, lavar a louça, etc...


OS TIQUES SÃO DIVIDIDOS EM DOIS TIPOS

SONOROS: fungar, assoviar, repetir frases, grunhir, estalar a língua, suspirar

MOTORES: pular, estalar os dedos, torcer o pescoço.

A coprolalia (falar palavrões ou obscenidades) e a copropraxia (gestos obscenos) são bem raras, estando presentes em menos de 10% da população com esse transtorno.

Os pacientes têm apenar alguns desses sintomas, geralmente o maior mal sendo o de ver-se como inadequado, negativizando o autoconceito (autoestima) e podendo até dificultar na realização de algumas atividades. No entanto, podem ocorrer complicações raras com alguns deles, mas com repercussões mais sérias para sua saúde física, incluindo ferimentos físicos ou problemas cutâneos tais como machucar-se (por beliscar-se ou coçar-se demasiadamente) ou ainda, a cegueira devido ao descolamento da retina (por bater a cabeça, golpear-se ou cutucar o olho) e problemas ortopédicos (por flexionar demais os joelhos, virar excessivamente o pescoço ou a cabeça).

Existem alguns outros transtornos que geralmente podem estar associados à Síndrome de Tourette, tais como: Transtorno Obsessivo-Compulsivo, Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade, Transtorno da Aprendizagem, Fobia Social e Depressão.


TRATAMENTO

Não há cura para a Síndrome de Tourette, mas existem várias maneiras de controlá-la. Os tratamentos dependem de cada paciente e são escolhidos de acordo com a necessidade e dificuldades do mesmo no dia a dia, ou seja, o quanto o transtorno afeta sua vida.

A terapia de reversão de hábito é um tipo de terapia comportamental que provou ser bem-sucedida em pacientes que sofrem dessa síndrome. A terapia tem entre seus componentes o treinamento de consciência (estar alerta e consciente), o treinamento de resposta competitiva (que compete com o tique), etc.

Especialistas acreditam que a resposta competitiva é a chave para o sucesso da terapia. Um paciente que sofre de tiques é treinado a identificar melhor quando um tique irá ocorrer (antecipar o comportamento). Quando ele tem um impulso para realizar o tique, realiza uma resposta competitiva: geralmente uma ação que usa os mesmos músculos que o tique usaria. Por exemplo, se ele sofre de um tique de encolhimento dos ombros, uma resposta competitiva seria esticar os músculos do pescoço e empurrar os ombros para baixo. Através desse processo o paciente vai percebendo que pode ter controle, amenizar e até suprimir os tiques.

Alguns dos pacientes com o transtorno precisam de medicação. No entanto, a maioria só faz uso dela se os sintomas interferem de maneira importante em seu cotidiano. Diversos médicos evitam preescrever remédios em função de seus efeitos colaterais e também pelo fato de que a maioria dos tiques podem ser controlados com suporte profissional e conscientização
 
 

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Encontro Educacional - Astoc SP

Maravilhosa oportunidade!!!!!!!!! Adoraria está neste encontro!!!!

Os Eventos promovidos pela ASTOC são destinados às pessoas com Transtorno Obsessivo Compulsivo, Tiques e Síndrome de Tourette, e familiares com o objetivo de esclarecer temas importantes relacionados ao diagnóstico e tratamento destes transtornos.



Encontro Educacional - 2012


Esses encontros são destinados às pessoas com TOC, Tiques, Síndrome de Tourette e familiares, com o objetivo de esclarecer temas importantes relacionados ao diagnóstico e tratamento destes transtornos.Os palestrantes são profissionais especializados na área.
DATA: 27/10/2012 ( sábado) HORÁRIO: das 9:00 hrs às 12:30 hrs
LOCAL: Anfiteatro do CAPS Itapeva
Rua Carlos Comenale, 32 – Cerqueira Cesar
Metrô Trianon – Atrás do MASP (Museu de Arte de SP)

TEMA:




A IMPORTÂNCIA DA ADESÃO À FÁRMACO E À PSICOTERAPIA
(O que se pode esperar de cada tratamento. O quanto cada um pode funcionar. Porque é infundado o temor de desenvolver dependência da medicação. A
participação ativa que se precisa obter do portador e da família em psicoterapia).
Palestrantes: Dr. Eduardo Aliende Perin: Psiquiatra, Pós-graduando pela
Unifesp Membro Consórcio Brasileiro Pesquisa TOC (C-Toc)
Rosana Mastrorosa – Psicóloga Cognitivo Comportamental .
Membro do C- TOC do IPQ. Orientadora de Grupo de
Tourette da Astoc
INSCRIÇÕES GRATUITAS - VAGAS LIMITADAS
Informações e Inscrições pelo telefone (11) 3541-2294

 
 
Fonte: www.astoc. org.br

domingo, 7 de outubro de 2012

sábado, 6 de outubro de 2012

Adolescente!!! E agora?????

             Adolescente !!!! E agora????


                                                                " As palavras movem , mas os exemplos é que arrastam."


A adolescência chegou !!!!

 O que será e o que escolherá da vida não sabemos ainda.

Sei que  a nossa função é dar apoio , continuar acompanhando , com os olhos e com o coração bem aberto, em todos os sentidos.

Não é mais uma questão, apenas, de hormônios aumentando os tiques  , mas também de escolhas .

 Como preparar nossos filhos para essa fase da vida? Um leque de regras surge e ainda maior é a oposição ...

Nesta fase a Tourette deve está ou ser bem trabalhada .

Devemos compreender  e sermos mais maleáveis , malabaristas o quanto for permitido , afinal  não podemos esquecer que é uma fase de mudanças tanto para a não mais criança quanto para a Tourette.

Temos que ter o cuidado de deixá-los viver, da maneira mais natural possível, independente de serem portadores de Tourette ou não, e ainda termos o cuidado com as regras.

Sabemos que " nessa fase existem inseguranças e insatisfações naturais da idade em relação a si mesmo e aos outros", podemos imaginar, adicionando as dúvidas da própria fase ao enfrentamento de suas  "diferenças": tiques, tocs, etc...

Auto-estima, nessa fase, deve está bem preparada , bem trabalhada  e a confiança em si mesmo, também.

Um dos momentos mais difíceis da maternidade  , o mais maduro  e de crescimento para pais e filhos.

Temos que enfrentar mais uma nova etapa e que etapa maravilhosa de descoberta . Como disse Pe. Márcio Fabri  " Nascer é saltar para vida".

Flexibilidade , talvez seja a chave, suavidade também.

Mas como ser flexível diante de tantas tentações e como ser suave diante das provocações.

Desafios e emoções devem ser recebidas com o coração aberto, aliás , escancarado  para nos doarmos até o limite deles. ( O problema é saber o limite , tanto o nosso , quanto o deles )

Importante sabermos diferenciar o que é da Tourette , o que  é do adolescente.

 Pais e filhos mergulhando de cabeça nessa nova aventura, cheia de inquietude e alegria.

 Chegar nessa fase e ver tudo de bom acontecendo .

" O momento é aconchegar , cuidar e compreender"

Dt

 E curtirmos juntos essa fase maravilhosa

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

                                            "Nas grandes batalhas da vida, o primeiro passo para a vitória é o desejo de vencer."


Mahatma Gandhi


                     "Nas grandes batalhas da vida, o primeiro passo para a vitória é o desejo de vencer."

Escola e Inclusão

                                    Escola e Tourette  
          


                 
                          Foto retirada do google



Reunião  dos pais na escola, é um programa que eu , como mãe, não gosto de faltar.

É naquele momento, olho no olho, que a gente consegue uma visão dos nossos filhos , da sua evolução , do seu comportamento, sem que seja com olhos de pais.
È nesse momento que nós, pais, entendemos um pouco o trabalho do professor e sua atenção para com nossos filhos.

E nessa ultima reunião  , a escola nos deu de presente uma palestra , ministrada pela professora  Verônica, a qual admiro pelo seu afeto por nossos filhos, pelo carisma, pelo respeito que ela, de forma natural ,consegue deles .

"Educando para o respeito" esse foi o tema .

Segundo a professora Verônica , família e escola são pilares da humanidade,  cada um com seu papel. O que concordo e acrescento, cada um com seu papel , e um complementando o outro. Nossas crianças e adolescentes praticam na escola afinidades , valores morais , entre outros que ensinamos em casa , mas são praticados na escola. E se esses papeis não estiverem em "comunhão", não tem como termos educação com respeito, por  esta falta de aliança entre família e escola , que acontece Bulling .

Dona Verônica (como seus alunos a chamam) afirma que educar é uma relação de confiança, e eu vejo essa relação de maneira ampla: escola - família- professores-alunos." Então renda-se : dê o seu melhor , conduza bem seus filhos. Um bom exemplo é o melhor sermão."

"Educar é ser exemplo! Somos contemplados ( pais e professores) todo o tempo, então o respeito, o apreço, a atenção individual, o atentar para  as diferenças , se colocar no lugar do outro , e a suavidade no acompanhar são fundamentais para uma boa educação"

As escolas em geral estão tirando si este papel, hoje ,  primeiro  estão as notas, os primeiros lugares ... Claro o ensino é importante, mas  é essa visão unilateral  que impede o avanço na inclusão . Quando se coloca apenas o ensino como importante , o acolhimento do ser humano se afasta e junto vai a atenção ao individual, as diferenças no tempo de aprender, em como se aprende e se aprende.

Atentar para as diferenças , como usou com muita sabedoria Dona Verônica , é a chave do futuro da escola, por que privar adolescentes e crianças " diferentes " de ter o ensino melhor ?

Quando existe abertura e laço entre família - escola, o ensino flui, o trabalho anda, em relação as dificuldades que ocorrem com a Tourette, essa parceria é indispensável. O Professor deve está atento para as diferenças e que essas diferenças não sejam limites .  A Suavidade citada por dona verônica, seja usada por toda e qualquer escola , afinal um pilar, tem que sustentar da melhor maneira.

Não adianta a escola saber que seu aluno tem Tourette, ou outra síndrome, se não procura meios para lídar, para superar desafios . Não estou falando em facilitar , estou falando em dar condições para ir além.

Estamos no quarto bimestre, e a parceria escola -família foi fundamental, as " Verônicas, Mairas, Veras, Cristinas, Patrícias, etc... " souberam  "ATENTAR'. Meus filhos estão vivenciando valores e com aprendizado e notas excelentes. (com muito esforço e dedicação)

A palavra que abriu a palestra , é a que uso para finalizar este texto : RENDA-SE.

DT